Segunda-feira, 13 de Dezembro de 2010

Capítulo 10 - Toca e foge

Olá :)

Finalmente, aqui está o capítulo extra como compensação.

Está feio.

Beijos, ~ mia.

 

 

Lylith Marie Johanson:

 

Seria possível?

Seria possível que eu tivesse tirado mais uma vida humana, sugado mais uma alma, extirpado mais um coração de um frágil corpo quente e húmido em troca de sangue?

Já não havia nada que pudesse fazer. Thomas estava morto e jamais voltaria a assombrar-me ou a saltar-me à mente nos momentos mais inoportunos. Jamais.

Tinha de me afastar daquela cidade escura e triste, que me deixava nostálgica e deprimida.

Tinha de ir embora.

Comecei a correr e só parei passado muito tempo.

 

***

Thomas Anthony Williams:

 

Nunca reparara naquela casa antes, mas algo me levara até lá.

O odor.

O cheiro a vampiro tão doce e frio que emanava daquela casa era quase reconfortante. E isso queria dizer que eu não era o único por aquelas bandas, para além de Lylith.

Forks revelava-se cheia de surpresas ultimamente.

Demorei a sair do carro. Não sabia ao certo o que fazer ou o que dizer. Não estava familirizado com as regras de etiqueta de vampiros.

E além disso, algo mais me distría: a fogueira acesa na minha garganta não me deixava pensar claramente.

O cheiro da água que me vinha de um riacho que corria algures não se revelou apetecível e o fluxo de veneno na minha boca implorava por algo mais denso.Saboroso.

Cerrei os dentes com força e contorci-me no banco do carro, espetando as unhas na pele do volante.

A sede era revoltante.

Foi então que senti uma presença e uma voz, suave e grave, murmurou:

-Aposto que tens sede.

Virei intintivamente a cabeça para trás e lá estava o dono da voz, imponentemente sentado no banco.

Era igual a mim: a mesma tez pálida, o mesmo cheiro, a mesma perfeição ridícula e os mesmos olhos vermelos e brilhantes.

Acenei afirmativamente com a cabeça e a sua boca torceu-se num leve sorriso.

Pegou-me na mão e apertou-a.

-Então segue-me. Posso ajudar-te...Thomas.

Estremeci quando ele pronunciou o meu nome.

-Confia em mim. Sou um amigo.

-E como é que te chamas, amigalhaço?

-Aro. Aro Volturi.

publicado por marianne goulart às 20:47
link | comentar |
6 comentários:
De claudia a 13 de Dezembro de 2010 às 21:52
Aro?

Ela pensa que o matou... coitada....

Está muito bonito =)

Bjs***
De anonimo a 14 de Dezembro de 2010 às 12:10
adoro a vossa fict... continuem e espero que a lylith e o thomas fiquem juntos e felizes
De Rita. a 14 de Dezembro de 2010 às 19:13
Ohhh, o Aro :O
quero mais, quero mais!
De Ana a 17 de Dezembro de 2010 às 12:31
Olha-me esta! O Aro!? CREDOOO
Isto não é nada bom mesmo!

E agora ela pensa que matou o rapazito! :O

Opah... :p

Beijinhos GRANDES,
Ana ;)
De Mag a 18 de Dezembro de 2010 às 15:55
Está feio? Não não está! Está lindo, fantástico, perfeito!

Aro? OMG! Thomas...cuidado...vais meter-te com o vampiro errado! U.U

Estou ansiosa por mais!

Beijocas!
De Joana a 20 de Dezembro de 2010 às 17:50
Comecei a ler a vossa história e estou a gostar. Continuem

Comentar post