Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010

Capítulo 5 - Satisfeita

Bom dia :)

Continuamos a agradecer todo o apoio que nos é dado por vocês, caras leitoras.

Muito obrigado.

Este capítulo é da ~ mia. Enjoy it!

 

 

Lylith Marie Johanson:


Vampira.

Eu, que nunca prestara a mínima atenção às lendas dos Quileutes, aqueles velhos senis de La Push que se auto-intitulavam de Anciãos e que me estavam constantemente a avisar.

Eu fora transformada numa vampira, no predador mais perigoso do mundo.

Irónico, no mínimo.

No entanto, o fogo ardente e insensato que queimava a minha garganta não me permitia gastar muito tempo a debater este ou qualquer outro assunto.

As chamas não eram tão dolorosas como aquelas que haviam originado a minha transformação, mas estavam lá perto e pareciam intensificar-se de minuto para minuto.

O mísero gato não me chegara para nada e soubera-me ligeiramente mal, com um travo amargo e a sua vida ainda me pesava no coração, agora tão silencioso e quieto como uma pedra.

Não sabia ao certo o que fazer.

Era tudo tão novo…tão impossível.

Os meus instintos estavam mais aguçados do que nunca e só agora via verdadeiramente a paisagem triste e cinzenta da cidade de Forks, com todas as suas falhas e qualidades. As minhas novas mãos sentiam fielmente as texturas rígidas e macias dos objectos e o meu nariz…esse não sabia para onde se virar. Os odores eram tantos, tão deliciosos e grosseiros em simultâneo, tão doces, amargos, azedos.

No entanto, um odor e um som em especial sobrepunham-se a todas as outras sensações.

A musicalidade de uma pulsação forte e insistente e um cheiro, o cheiro mais delicioso e apelativo que alguma vez me fora dado a conhecer.

Era uma doce mistura de frésias, rosas e violetas envolvidas em mel. Uma mistura que me fazia crescer água na boca e despertava os meus instintos sem que eu lhes desse permissão. A minha garganta escaldava e saltava de cada vez que eu inspirava uma nova golfada de ar, um ar inundado por aquele perfume que despertava em mim tamanha demência.

Deixei-me guiar pelos meus infalíveis instintos de vampira, permitindo ao corpo tomar o lugar da mente e agir sem pensar, por uma vez na vida.

Sem ser a boazinha Lylith, que calculava sempre os danos que iria causar antes de fazer algo porque simplesmente lhe apetecia.

As memórias da pessoa que eu fora repulsavam-me e a raiva que sentia por mim mesma alimentava a minha sede já de si incoerente e os meus músculos retesaram-se, impulsionando o corpo para a frente.

Foi então que comecei a correr.

A correr como nunca antes tinha corrido na minha vida, sentindo o vento estranhamente cálido em contacto com a minha pele embater-me no rosto e despentear-me os cabelos, provando o escasso sol que com minúsculos raios me lambia delicadamente os fios alaranjados.

A sensação era quase indescritível.

A lama e a água a molharem-me os pés, a velocidade estonteante a que o meu corpo se movia, todas as pequenas coisas que os meus olhos conseguiam engolir.

Tudo isto era incrível e novo e fazia-me sorrir, principalmente porque não fazia a mínima ideia para onde me dirigia. Apenas estava ciente de que aquele cheiro embriagante estava cada vez mais perto o que fazia as minhas pernas moverem-se quase à velocidade da luz.

Foi então que, abruptamente, parei.

Parei em frente a uma casa que não me era completamente desconhecida.

A porta era invulgarmente púrpura ao contrário de todas as outras da cidade que eram de um enfadonho cinzento pálido.

Tanto a porta como o resto da casa ligavam-me a milhares de recordações felizes que remontavam a um tempo longínquo. Com elas misturavam-se memórias tristes e violentas.

Era a minha casa.

O cheiro vinha de lá. O sangue era dela.

Daquela mulher horrenda que – eu tinha a certeza absoluta – matara a única pessoa que eu amava neste Mundo.

Ela matara o meu pai.

Era quase engraçada a maneira como o destino decidira que eu havia de me transformar na criatura mais temível do mundo mítico para vingar a morte dele.

E de uma coisa eu estava certa – não iria desperdiçar esta oportunidade.

Com um simples empurrão da minha parte a porta cedeu e embateu no chão de madeira com um ruído sonoro.

Uma figura estreita e desengonçada apareceu no hall de entrada e os olhos malévolos arregalaram-se quando me viram.

-Lylith? – Murmurou.

-Anna. – Cumprimentei, com um sorriso a aflorar-me os cantos dos lábios. O facto de ela ter o mesmo nome da minha mãe enjoava-me e alimentava o desejo de a ver morta.

Dei um passo em frente e estendi a mão na sua direcção, puxando-a para mim com uma força férrea. Uma força que a surpreendeu e irritou.

-Larga-me sua imbecil, estás a magoar-me! – Gritou com a voz esganiçada.

Num movimento cuidadosamente estudado encostei o nariz à cavidade do seu ombro e inspirei. O cheiro era delirante e os meus olhos brilharam face ao perfume que a sua pele exalava.

Ela estava assustada. Apavorada.

Sorri e, em menos de um segundo, os meus caninos estavam cravadas na sua jugular, sorvendo lentamente o líquido espesso e quente que corria nas suas veias.

Ela berrava de dor e tive de lhe partir o pescoço para a calar.

Os seus ossos cederam facilmente aos meus dedos de aço.

Cravei a boca nos seus pulsos, tentando sugar o máximo daquele sangue, tão viciante como uma droga.

Só parei quando a sua tez estava tão pálida como a minha devido à perda excessiva de sangue.

À perda total de sangue.

Olhei uma última vez para o seu cadáver, sentindo-me poderosa, sentindo que, finalmente, justiça havia sido feita.

Não estava minimamente arrependida.

Mas também não estava minimamente satisfeita – a minha garganta continuava a implorar por mais alimento.

publicado por marianne goulart às 10:13
link | comentar |
12 comentários:
De Annie a 5 de Novembro de 2010 às 12:37
Cada vez melhor
De Rita. a 5 de Novembro de 2010 às 14:47
digo-vos com toda a certeza, que esta é a melhor fic que alguma vez li. é viciante :D
De summer wright a 5 de Novembro de 2010 às 20:58
mórbido. fantástico.
De White Lily a 5 de Novembro de 2010 às 22:19
Amei, fico sem palavras
Kiss meninas
De Nika a 5 de Novembro de 2010 às 22:48
Olá, meninas!
Parabens pela fic e fantastica,
e vou seguir!lol
Continuem,quero mais!

Bjs,<31
De Mag a 6 de Novembro de 2010 às 00:47
Sabes que isto é uma tortura?
Eu queria ler isto todos os dias! Porque é viciante. É tão mágico, tão profundo, tão perfeito que chega a ser viciante!
É claro que está magnífco! É claro que está deveras interessante.
Eu estou completamente entusiasmada!
Deve ser sem dúvida das melhores fics que já li!
Beijoooos!
Parabéns!
De Drica a 6 de Novembro de 2010 às 01:04
Ádorei...
fenomenástico...

aparte para a mia: e dizes tu que gostas de miaus...coitadito este morreu XD

Agora só na próxima sexta...certo :(

Beijos queridas ...
De -MP a 8 de Novembro de 2010 às 21:04
wow
okay. mórbido. mas eu gosto.
De Ana a 9 de Novembro de 2010 às 01:26
UAU!!! :O

Adoro a tua história! Escreves mesmo, mesmo, mesmo bem! :D Eu consigo por-me no lugar da personagem e sentir eu própria o que ela sente. Nem toda a gente consegue transmitir isso. :)

A sério, nunca deixes de escrever. Estou MUITÍSSIMO ansiosa pelo próximo capítulo!! :D :D

Beijos GRANDES,
Ana
De a 10 de Novembro de 2010 às 18:51
Olá!
Gostei imenso do teu capitulo, está tão perfeito...
Adoro como descreves tudo, desde os seus pensamentos, aos seus movimentos.
Garanto-te que vou continuar a ler a tua fic.
Bjs

Comentar post